terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Creepypasta: Silhueta

Eu e minha família nos mudamos para uma casa em Kansas. Não gostei tanto assim da rua, mas depois de uns dias, me acostumei. Foi tudo bem rápido.

Após uma semana, comecei a ouvir barulhos estranhos à noite vindos da cozinha, como panelas batendo, pratos se arrastando pela bancada e até cadeiras se movendo. Desci até lá. Precisei tomar coragem. Poderia ser uma janela aberta, pois estava ventando bastante naquela noite.

Cheguei na cozinha e os barulhos haviam parado. As janelas estavam fechadas, então pensei que estava tudo bem e decidi voltar ao meu quarto.

Quando me virei novamente, passando pela sala, me assustei.

Do outro lado da porta principal (feita de material translúcido), havia a silhueta de uma mulher com um vestido bem longo. A sua imagem estava completamente escura, e ela não se movia, apenas olhava fixamente para a porta.

Corri o mais rápido que pude para o meu quarto, tranquei a porta muito assustado, e então, espiei pela janela para verificar se aquela mulher ainda estava lá embaixo. Não havia mais ninguém, e eu fiquei acordado por muito tempo até pegar no sono.

No dia seguinte, preferi não contar para os meus pais o que tinha acontecido, apenas refleti o dia todo sobre aquilo, porque talvez eu pudesse estar imaginando coisas. Dormi com a porta trancada apenas por segurança, mas o problema aconteceu quando, de madrugada, eu acordei no chão da cozinha.


Novamente fiquei assustado e, fazendo o caminho de volta para o meu quarto, percebi que a porta da sala estava aberta.




Fonte: Clique aqui

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

O que é Deja - Vu ? Prevendo Futuro ?


Lá está você passando por uma rua por onde nunca passou antes.Neste momento passa uma Ferrari vermelha e uma garota loira com a camisa escrito "I love C.S." em letras amarelas dirige alegremente.
Um velho espirra do outro lado da esquina e uma garota vestida com uma fantasia de frango diz "saúde".

Situação incomum... Mas, por algum motivo, isso parece ser familiar... É quase como se isso já tivesse acontecido antes!!! Mas como? Você sabe que é impossível!

Pois é... Isso é o tal do Deja vu (como a palavra é francesa você deve pronunciar fazendo um biquinho aboiolado e dizer "Deja vi").

Tudo bem... Você agora já sabe o que é... Agora vai saber por que acontece.Quer dizer... Saber não... Ter uma idéia, por que até hoje ninguém sabe direito como ocorre.

Vamos para as teorias:


1* Cientificamente o deja vu é causado pelo hipocampo, que é uma área do cérebro responsável pela memória. Como o cérebro da gente é bem esquisito e as vezes funciona de forma errada, em algumas situações o hipocampo registra antes da hora um fato novo que está acontecendo. Essa confusão de registro e presença de acontecimento faz uma doidera na mente fazendo com que se sinta que a situação já ocorreu. É uma falha de microssegundos mas o pior é que acontece. Segundo psicólogos o deja vu depende muito da rotina do indivíduo.Quando mais imaginativo o sujeito, mais frequente vai ser o fenômeno. Também é variável a depender dos seus hábitos.Pessoas que saem ou viajam muito tendem a ter a sensação com mais frequência do que quem tem hábitos caseiros.

2* Se não gostou da explicação científica aqui vai a sobrenatural. Os espíritas acreditam que o Deja vu tem relação com a reencarnação.Você é um padeiro que mora numa determinada vila da Itália.Um belo dia, o leiteiro descobre que você dá uns pegas na mulher dele e te mete uma bala na cabeça. Você morre , reencarna no Brasil e vira jogador de futebol. Um belo dia é contratado pelo Milan que vai fazer uma partida amistosa naquela vila.Misteriosamente vc tem a sensação que conhece tudo por ali. Se vacilar é capaz de saber até o nome das ruas.

Outra explicação espírita é a que ao Deja vu emerge do inconsciente, considerando que
nas horas de sono, o Espírito, projetando-se do corpo com o seu perispírito, vaga por aí, buscando seus interesses e preparando-se para enfrentar suas novas tarefas do dia seguinte. Assim, o sentimento de que já se fez determinada tarefa ou que já se conhece um lugar, sem nunca antes ter estado ali, pode ser resultado das duas coisas e não necessariamente vir de encarnações anteriores.

3* Você está passando por uma rua e não nota que, na esquina de trás um pássaro está paralisado no ar...Totalmente sem movimento. Como se alguém congelasse o tempo em volta do bichinho. Mas o gato preto passando na sua frente vc nota. Então você olha para o lado e olha o gato de novo... É como se ele estivesse repetindo os mesmos movimentos... Ué? Eu já vi isso antes? Neste momento vc olha para trás e vê um pássaro voando calmamente em direção ao céu. O que aconteceu? Obvio! Foi uma falha na Matrix!!!

Para consertar o erro de programa que paralisou a imagem do pássaro, "eles" consertaram o bug e voltaram um pouco para que o software pudesse ser executado de forma ideal. Um dia a Matrix vai deixar de usar o Windows XP e isso com certeza vai acabar!

Pronto! Desmistificamos mais um Fenômeno sobrenatural!!!!!!!




Fonte: Clique Aqui

domingo, 22 de janeiro de 2017

Dark Ghost

*Antes de tudo que deixar claro, que a origem dessa história é desconhecida e ela parou em minhas mãos ao acaso, nem eu mesma sei de onde ela surgiu. A carta foi escrita por Dark Ghost e o resto é uma manchete de um jornal local que também me é desconhecido.
A história não foi modificada e queria manter do mesmo modo que a achei.*



"Tudo aconteceu quando eu tinha cinco anos, meus pais decidiram se mudar para a nossa casa própria.

Todos nós estávamos muito felizes, conhecemos muito terrenos e um dia papai chegou dizendo que achou o perfeito.

No sábado fomos visitar o tal terreno, era enorme. E ficava num bom bairro. Seguro e todos se conheciam, era perfeito para nossa família pequena.

Eu gostei do lugar, era imenso! Eu poderia brincar em todo esse pátio. Muito melhor que nosso pequeno e limitado apartamento alugado.

Mas o lugar estava abandonado fazia anos, a grama devia ter uns 1,30 ou mais de altura, e eu sempre fui pequena. Então meu pai me levou nos ombros.

Tinha uma pequena cabana de madeira rústica, sem nada, nem móveis. O cheiro era horrível, mofo e algo podre. Tinha uma única sala e um quarto, pois tinha um até então desconhecido beliche de madeira podre com colchões manchados de algo preto.

Me lembro, que eu era uma criança curiosa, e logo subi no beliche. Minha mãe me puxou na hora e me tirou de lá brigando comigo.

Tinha uma coisa que eu me lembro muito bem da minha mãe, ela sempre parecia saber de tudo. Como uma vidente, e ela não gostava de um pouquinho de certas coisas que eu falava. Isso sempre foi uma curiosidade minha, como ela sabia de tudo isso?

Eu fiquei emburrada, e fui dar uma volta pela cabana, estava muito escuro. E a porta aberta não iluminava tudo.

Eu tinha achado uma espécie de porta secreta, quando meu pai me puxou dizendo que achará algo muito legal ali para mim.

Eu esqueci da tal porta na hora, e fiquei perguntando o que era, até ele me entregar um pingente velho de metal. Era uma estrela, bem simples.

Mamãe prometeu que iria limpar e eu poderia usá-la. Fomos embora e papai nos levou em um restaurante, foi um dia agradável aquele.

De noite eu saía do banho, quando mamãe me mostrou o pingente, agora numa corrente de prata que ela tinha.

Era lindo, e parecia novo. Eu quis usá-lo na hora, e nunca mais o tirei.

Alguns dias depois compramos o terreno, e começaram a construir a nova casa. Foi um rebuliço na época, fazia muito tempo que ninguém se mudava para aquele bairro, e também ninguém sabia a história daquele terreno.

Nos mudamos para lá, a casa tinha três andares, meu quarto ficava no segundo. Eu amava aquela casa, era um sonho para mim. E naquela época nossa família estava enriquecendo e eu ganhava muitos presentes.

Eu não gostava muito de ganhar tantos brinquedos, eu não tinha com quem brincar. Meus pais passavam o dia inteiro trabalhando e eu ficava com a babá, que era uma senhora chata.

E naquele bairro não tinha crianças com a minha idade, na verdade todos tinha de dezoito para cima. Eu ficava sozinha muito tempo.

Algum tempo depois do meu aniversário de seis anos, um amigo de meu pai tinha uma neta que vinha aos verões ficar com ele e a avó.

Nos tornamos amigas na hora, e todos os dias desde cedo brincávamos e as vezes passávamos a noite na casa da outra.

Eu tinha começado a estudar e tinha amigas, minha vida era mais alegre. Mas quando eu fiz oito anos a felicidade acabou.

Meu pai acabou por fazer uns negócios escondidos e como seguro estava nossa casa. Perdemos nosso único bem precioso e a família se afundou em dívidas, na mesma época que minha mãe perdeu o emprego.

Eu sempre me lembro das discussões dos meus pais, que as vezes meu pai batia em minha mãe e se eu vinha defende-la apanhava também.

Acabamos ficando na casa, agora sob aluguel. As brigas acabaram, ou eles brigavam sem que eu visse.

Mas mesmo assim já era tarde, às vezes conflitos familiares poderiam acabar com uma criança, era o que os médicos diziam e foi exatamente o que aconteceu comigo.

Eu perdi amigos e tive que trocar de colégio, uma total desconhecida em um lugar diferente. Eu não conseguia fazer amigos, e sentava no fundo da sala.

Às vezes eles me trancavam na sala de aula, e só me tiravam quando a segunda turma vinha estudar. Outras eles batiam em mim, tacavam bolinhas de papel e pedras, e me derrubavam.

Minha mãe sempre me perguntava o por que dos meus ferimentos e eu mentia que eu me machucava brincando.

Então comecei a usar roupas escuras e largas, para esconder meus hematomas, machucados e que eu tinha anorexia.

Eu procurava maneiras de me distrair sozinha, já que minha única amiga. A neta do amigo de meu pai também chamada de Anna acabou por ir para o meu colégio. E ela ficou popular, então para que ser amiga da estranha e perdedora do colégio? 

Quando fiz treze anos, tudo mudou drasticamente. Fazia alguns meses que mamãe voltará a trabalhar e me deu um celular para nos comunicarmos.

Eu colocava músicas e escutava enquanto escrevia em meu fichário. Eu sempre gostei de escrever sobre mim, mesmo que minha vida fosse horrível.

Logo comecei a ter pesadelos com um garoto misterioso, eu nunca me lembrei de fato os sonhos ou o nome do garoto. Mas eu lembrava dele: olhos verdes intensos, pálido como papel e alto.

Fiquei espantada, eu tinha imaginação para esse tipo de sonho? Logo comecei a escrever sobre isso e desenha-lo.

Mas tudo piorou, comecei a vê-lo em todo o lugar! Nas aulas, colégio, em casa! Em todos os lugares.

E ele nunca fala comigo, apenas me observa. Eu tento falar com ele, mas nunca obtenho uma resposta.

Acho que estou completamente louca!

Aguentei meu observador por semanas, até que as poucos ele parou. Nunca fiquei tão feliz.

E aos poucos esqueci de tudo, mas piorou novamente.

Fiquei com uma terrível sensação de ser observada, principalmente quando estava no meu quarto. Eu já estava cansada de olhar para todos os lados atrás de alguém invisível.

Quando eu já tinha quatorze e já estava acostumada com a sensação de ser observada.

Era uma segunda-feira e eu estava fazendo meu dever de casa, quando ouvi um barulho vindo do sótão.

Fiquei assustada e peguei uma lanterna e subi até lá.

Não parecia ter nada lá, talvez algo tivesse caído. Tudo estava em perfeita ordem.

Liguei a lâmpada e olhei a volta, em um canto estava uma entidade alta e vestida com um manto negro.

Fiquei paralisada de medo e desliguei a luz e fechei a porta num estrondo. Tranquei e nunca mais entrei, nem passei no corredor que levava ao sótão.

Depois desse dia não conseguia dormir direito, eu tinha olheiras enormes e dormia durante as aulas.

O único lugar seguro para mim, era o colégio, mesmo eu sendo o alvo de todas as maldades dos alunos.

Mas eu sempre acabava sendo pega por um professor ou entrega por um aluno maligno. E ficava de castigo ou detenção depois da aula.

E eu ficava muito grata por isso, era ótimo não ir para casa e ter que viver com medo e sozinha.

Mas chegava o momento que eu abria o portão e a porta, eu ia para o Inferno por livre e espontânea vontade todos os dias.

Eu estava escrevendo em meu fichário, quando vi algo na minha frente. Segurei a caneta com força e olhei para cima. Era apenas aquele garoto misterioso.

Eu olhei para ele assustada, e ele falou comigo pela primeira vez. E assim comecei a falar com um espírito.

Com o tempo comecei a gostar dele, e ele me contou que viveu com sua família há mais de cinquenta anos, e até que aquele pingente que eu usava era dele.

Eu me ofereci para devolver o pingente e ele recusou, alegando que estava me dando de presente.

Eu já tinha perdido a desconfiança por ele, e confiava nele. E um dia ele disse que me amava, eu chorei e disse que também gostava dele.

Mas como ficaríamos juntos? Ele era um espírito de um adolescente morto e eu uma adolescente viva.

Ele disse que tinha um ritual para revivê-lo, e eu aceitei sem pensar duas vezes.

Eu tinha apenas que escrever meu nome num papel e pôr meu sangue. Pronto, fiz isso e nada aconteceu.

Ele sumiu por dias, não vi ele nunca mais e fiquei desconfiada, mas.. logo procurei na internet e descobri que dei minha alma. Eu iria morrer em breve.

Comecei a chorar e fiquei sem sair de casa por um bom tempo. Comecei a ler algo chamado creepypasta, eu gostei. Eram assassinos que enlouquecem e saem matando.

Aquilo me deu uma ideia, a noite peguei uma faca de cozinha e coloquei uma calça preta e um moletom também preto.

Sai andando e vi um rapaz do meu colégio, ele era um dos populares. Seus cabelos caíam em seus rosto. Já era tarde.

Ele sorriu ao me ver, e soltou alguma cantada idiota. Eu fingi estar interessada e ele tentou me beijar, mas eu fui rápida e cortei sua garganta.

Ele morreu na hora, e comecei a esquartejar seu corpo sem vida. E depois fugi.

Ao chegar em casa lavei minhas roupas e a faca e fui dormir como sempre.

Na manhã seguinte, eu saí do quarto e fui comprar um jornal para ver as notícias e ouvi todos dizendo do brutal assassinato.

Eu amei aquele estranho prazer, e ver todos com medo fez eu sorrir muito. Mas eu tinha que me vingar de uma pessoa, mesma ela estando morta, ou não.

A noite fiz um ritual para invocar o garoto, que surgiu. Ele parecia apavorado ao me ver.

- O que você está fazendo? - ele perguntou.

- Sabe uma coisa que foi errada nesse ritual? A faca não era virgem! Não foi minha alma dada. - meu sorriso se alargou. - Mas o que restava da minha sanidade!

- E o que você quer? Me matar? - ele pergunta.

- Não. Só devolver sua alma para o lugar certo. - quando cortei meu pulso e o sangue pingou no pentagrama ele gritou e sua alma voltou ao seu lugar.

No meu pingente. A noite esperei meus pais, e assim que eles chegaram me vesti. A calça preta, a regata com uma caveira e o moletom preto. E por fim meu all'star de cano médio preto.

Fui ao quarto dos dois e os matei. Com o sangue deles escrevi na parede e fugi para nunca mais voltar.

Era o meu adeus a minha antiga vida, e o começo da minha vida como assassina."


No dia seguinte as reportagens eram sobre a família Campbell brutalmente assassinada, sobre a parede a frase: "I'm dead?" (Eu estou morta?)

A culpa do assassinato de Linda e Mark Campbell e o adolescente caíram sobre a única filha do casal que estava desaparecida: Emma Campbell de quatorze anos. Também tinha a suspeita que ela tinha sido sequestrada.

Mas a cidade viveu momentos de terror com a assassina, que todos descreviam ter longos cabelos em cachos castanhos e olhos castanhos, pálida como um fantasma, baixa e vestida de negro. Parecia jovem e tinha os olhos borrados de lápis ou tinta preta.

Primeiramente ela usava facas, mas quando a fama de Dark Ghost, como era chamada. Veio a tona 

Resultado de imagem para Dark Ghost

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

The Grifter - NÃO VEJA ESSE VÍDEO

As postagens nesse fórum alegam a existência de um vídeo tão perturbador que leva à aquele que assiste sensações de náuseas, pesadelos e até mesmo suicídio. Aqueles que disseram tê-lo assistido disseram que se sentiram "mudados". Status da veracidade do vídeo: INCONCLUSIVA.

the_solipsist: Eu queria não ter assistido... merda ... eu realmente me sinto perturbado; como se eu tivesse arruinado algo dentro da minha alma... nunca mais serei o mesmo... merda

Anônimo: Droga, alguém tem o link pra ver? Eu quero vê-lo já faz muito tempo mas não consigo encontrá-lo em lugar algum... Meus amigos que assistiram disseram nunca mais serem os mesmos.

the_solipsist: acredite em mim... você não vai querer ver isso... espero que não seja você vic... :(

Anônimo: vai se foder OP (N/T:Original Poster: O cara que fez o tópico). eu já tinha quase me esquecido dessa merda. obrigado acho que não vou dormir essa noite.

Anônimo: é um vídeo postado aqui em 2008... eu não sei exatamente o que é porque não tive colhões para assistí-lo. todos que assistiram reclamaram de terem pesadelos e não eram sequer capazes de descrevê-lo. a maioria das pessoas não queriam nem falar sobre isso. tinha no youtube originalmente, mas o tiraram bem rápido... vou ver se encontro alguma merda real dele.

Anônimo: bom, não era snuff ou qualquer coisa do tipo aparentemente é só um audiovisual esquisito com alguma coisa andando no fundo que criou essa sensação estranha... pessoas disseram ter ficado doentes, terem pesadelos... aparentemente algumas se mataram mas eu não sei se alguém pode me confirmar isso... de qualquer forma é muito estranho.

the_solipsist: eu prefiro não falar sobre isso. só me deixe dizer que foram os piores 2 mins da minha vida... eu preferia bater uma pra '3 guys 1 hammer' (N/T:Vídeo de três homens matando um rapaz com um martelo) 10000 vezes antes de ver essa merda de novo... PIOR. MINDFUCK. DE TODOS.

Anônimo: Não, esse não é o certo. O que eu vi ano passado é difícil de descrever; tem esse cara ao fundo durante todo o tempo (aparentemente ele é o "Grifter") e tem um monte de merda acontecendo na frente... Tipo uma pia cheia de larvas ou algo assim, e a pintura nas paredes estava literalmente derretendo/se soltando e caíndo. A coisa toda me lembrou o filme Begotten mas sob efeito de mil DMT (N/T: Begotten é um filme experimental de horror dos anos 90 que é baseado no Gênesis e DMT = Alucinógeno extremamente potente)... realmente uma cena de pesadelo. Muito real. Em cores, mas super escuro e granuloso... TOTALMENTE FODIDO. O resto eu não consigo lembrar. Eu não quero.

Anônimo: MERDA por que você teve que me lembrar?? porra você não se lembra da cena onde ele segura um cachorro que chora que nem um bebê humano? e ele fica só segurando pela nuca no alto o tempo todo? MERDA... merda de combustível pra pesadelo :( :( sério, aquele vídeo mudou a minha vida.

____________________________________________________________________________

Os poucos que assistiram ao vídeo foram encontrados mortos em suas próprias casas, com apenas uma coisa em comum: Uma estranha boneca, escondida em algum lugar de suas casas.


Postagens mais antigas → Página inicial